Um dos estados brasileiros mais castigados pela falta de chuvas e escassez hídrica, o Ceará prepara-se para construir a maior usina de dessalinização de água marinha do país, informa o site Fapesp.

Usina de dessalinização da Espanha

Usina de dessalinização por osmose reversa de Barcelona, na Espanha
James Grellier/Wikimedia Commons

Quando estiver pronto, o empreendimento, cujo projeto foi iniciado em 2016, irá reforçar o sistema de abastecimento da capital, Fortaleza, e dos municípios da região metropolitana, uma área urbana onde vivem mais de 4 milhões de pessoas. A expectativa da Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece), empresa de saneamento responsável pelo projeto, é de que o edital de licitação seja lançado ainda neste semestre.

A expectativa é de que a nova usina retire o sal da água marinha por meio da técnica de osmose reversa, embora a definição final caiba ao vencedor da licitação. Esse é o método de dessalinização mais barato e usado no mundo. Nele, uma bomba de alta pressão força a água a passar por membranas poliméricas com orifícios minúsculos, que retêm os sais.

O local de instalação ainda não foi escolhido, mas cogita-se produzir 1 metro cúbico (m3) de água por segundo (o equivalente a mil litros) – a Região Metropolitana de Fortaleza consome 8 m3 por segundo. “Teremos um aumento de 12% na oferta de água na região, o suficiente para abastecer cerca de 720 mil pessoas”, ressalta. O valor estimado do projeto gira em torno de R$ 480 milhões.

Processos de dessalinização

Dessalinização no Brasil

A usina de dessalinização do Ceará deverá ser a maior, mas não a primeira, a operar no Brasil.

Há quase duas décadas o arquipélago de Fernando de Noronha tem um pequeno sistema de dessalinização capaz de produzir cerca de 720 m3 de água por dia. A produção responde por 40% da demanda hídrica do arquipélago. O restante vem da água das chuvas.

Algumas comunidades do semiárido brasileiro também contam com o auxílio de dessalinizadores para tornar a água salobra obtida de poços artesianos adequada ao consumo humano. “Todos usam o método de osmose reversa”, esclarece a engenheira química Weruska Brasileiro Ferreira, do Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental da UEPB.

Fonte: Revista Pesquisa Fapesp – Para tirar o Sal da Água

Deixe seu comentário...